Fazer as coisas emhouse e por conta própria parece muitas vezes ser a escolha mais lucrativa, poupando amplos recursos - tanto de trabalho como de dinheiro. No entanto, quando se trata de efetuar o registo aduaneiro para os importadores, a decisão torna-se significativamente mais difícil.

Por um lado, existe o fascínio do controlo direto e das potenciais economias de custos. Por outro lado, as complexidades assustadoras dos regulamentos aduaneiros ameaçam apanhar os incautos com penalizações e atrasos dispendiosos.

Então, qual é a atitude correcta num cenário destes?

Este blogue ajudá-lo-á a tomar esta decisão. Discutiremos as vantagens e as desvantagens e determinaremos o que optimiza os recursos da sua empresa. Vamos começar.

Vantagens e desvantagens da auto-apresentação

Ao considerar se deve tratar os registos aduaneiros emhouse ou recorrer aos serviços de um despachante aduaneiro, é essencial ponderar as vantagens e desvantagens de cada abordagem.

Vejamos em primeiro lugar as vantagens da auto-apresentação em relação à não apresentação de uma entrada.

Vantagens da autodeclaração de entrada
Vantagens de não apresentar uma entrada por conta própria
Poupança de custos: Custos operacionais potencialmente mais baixos ao longo do tempo em comparação com as taxas de corretagem.
Conhecimento especializado a pedido: Acesso a despachantes com conhecimentos especializados e experiência em desalfandegamento.
Controlo direto: Maior supervisão e controlo imediato do processo de declaração aduaneira.
Poupança de recursos: Poupa tempo e recursos ao subcontratar processos aduaneiros complexos a especialistas.
Resposta mais rápida: Capacidade de abordar e resolver rapidamente problemas ou efetuar ajustamentos conforme necessário.
Redução da responsabilidade: Os corretores assumem frequentemente a responsabilidade por erros, reduzindo a exposição da empresa ao risco.
Conhecimento aprofundado: Oportunidade de desenvolver um conhecimento mais profundo dos regulamentos aduaneiros e dos requisitos de conformidade.
Rede alargada: Os corretores estabeleceram relações com as alfândegas e outras entidades, o que pode facilitar o processo.
Soluções personalizadas: Flexibilidade para adaptar os processos de registo aduaneiro às necessidades específicas da empresa.
Tecnologia e infra-estruturas: Os corretores fornecem a tecnologia e as infra-estruturas necessárias para um registo eficiente, sem custos adicionais para a empresa.

Comparemos agora as armadilhas associadas ao auto-registo e à externalização desta tarefa a profissionais.

Armadilhas da auto-apresentação
Armadilhas do não preenchimento automático
Custos iniciais de instalação: Investimento inicial significativo em tecnologia, formação e pessoal.
Custos mais elevados a longo prazo: As taxas de corretagem podem aumentar ao longo do tempo, excedendo potencialmente o custo do processamento emhouse .
Riscos de conformidade: Maior responsabilidade pela manutenção da conformidade, com a possibilidade de erros dispendiosos.
Menos controlo: A dependência de entidades externas pode reduzir o controlo direto sobre o processo de desalfandegamento.
Intensidade de recursos: Requer pessoal e recursos dedicados para gerir eficazmente o processo de registo.
Possíveis atrasos: A dependência do horário de um corretor pode levar a atrasos no registo e processamento.
Curva de aprendizagem: Existe uma curva de aprendizagem acentuada para as empresas que não estão familiarizadas com os regulamentos e processos aduaneiros.
Soluções genéricas: Os processos dos corretores podem não ser adaptados às necessidades específicas da sua empresa.
Gestão tecnológica: Necessidade de atualizar e manter constantemente a infraestrutura de TI para a conetividade aduaneira.
Barreiras de comunicação: Potencial para falhas de comunicação ou atrasos no fluxo de informações entre a empresa e o corretor.

10 perguntas a fazer antes de chegar a uma conclusão sobre o auto-declaração

Antes de se debruçar sobre as questões cruciais que podem orientar a sua decisão sobre a transição para a declaração aduaneira emhouse, é essencial compreender as implicações dessa mudança.

Esta lista de verificação destaca as áreas críticas a considerar, garantindo que está totalmente informado e preparado para fazer a melhor escolha para as necessidades específicas da sua empresa.

Vamos explorar o que é necessário avaliar.

1. Quanto custará o registo emHouse ?

A primeira coisa a ter em conta são as finanças. Contratar alguém in-house, especialmente um corretor licenciado, não é apenas uma questão de salário. É preciso ter em conta os benefícios, a formação e talvez até uma equipa de apoio. 

Agora, considere o que pagou à sua corretora no ano passado. A comparação destes valores ajudá-lo-á a compreender o valor da experiência que está a obter.

Vencedor: Externalizar

Lembre-se de que, embora poupar dinheiro pareça excelente, garantir a conformidade sem problemas ou atrasos pode poupar muito mais a longo prazo.

2. Quem é o seu interlocutor para obter informações sobre a regulamentação?

Quando se trata de desalfandegamento, é crucial ter uma fonte fiável de orientação regulamentar.

Se for selecionado para uma auditoria aduaneira ou se precisar de confirmar se um novo regulamento o afecta, pode contar com a sua equipa in-house ?

Parcerias com especialistas como CustomsCity torna-se inestimável neste domínio. Trazem mais de 30 anos de experiência e conhecimentos para a sua equipa, garantindo que se mantém à frente das alterações regulamentares.

O vencedor: Um empate

Embora a subcontratação possa oferecer conhecimentos especializados e tranquilidade sem paralelo, uma equipa bem formada e experiente emhouse pode oferecer benefícios semelhantes, desde que esteja preparado para investir na sua formação e desenvolvimento contínuos.

3. Está preparado para gerir a transmissão eletrónica de dados?

Os despachantes proporcionam uma conetividade fácil com as alfândegas através de ABI e ACE. Se estiver a pensar em gerir este serviço emhouse, avalie se os seus recursos de TI estão preparados para tal responsabilidade.

Parcerias com especialistas como CustomsCity fornece os conhecimentos técnicos necessários e oferece um processo simplificado que pode libertar o seu orçamento e recursos de TI para outros projectos.

Vencedor: Externalizar

A complexidade e a natureza contínua dos requisitos de TI para o arquivamento direto podem ser assustadoras. A subcontratação pode aliviar estas pressões e garantir que se mantém em conformidade com o mínimo de incómodo.

4. Qual é o seu plano para as lacunas de cobertura?

Pense no que acontece se o seu único arquivador não estiver disponível. As equipas de corretores garantem que há sempre alguém pronto a intervir. Mas pode dizer o mesmo da sua equipa in-house ? Ter um plano de reserva fiável é crucial para evitar quaisquer atrasos ou problemas no preenchimento.

Vencedor: Externalizar

O risco de lacunas de cobertura com uma equipa emhouse - especialmente se depender de uma pequena equipa ou de um único indivíduo - pode levar a perturbações significativas. A subcontratação proporciona uma rede de segurança que é difícil de replicar internamente sem um investimento significativo.

5. Está pronto para aumentar a escala das suas necessidades de importação?

À medida que o seu negócio cresce, o mesmo acontece com o volume de importações. Um corretor competente ajusta-se perfeitamente a estas mudanças, assegurando que as suas operações nunca perdem o ritmo. Mas será que a sua equipa in-house consegue lidar com volumes flutuantes com a mesma agilidade?

O vencedor: Um empate

Se tiver criado uma equipa robusta, escalável e flexível emhouse , poderá gerir tão bem como um corretor externo. No entanto, a facilidade e a eficiência oferecidas por um corretor experiente, habituado a lidar com alterações de volume, exigem muito trabalho para serem igualadas.

6. A sua equipa consegue comunicar eficazmente com os parceiros logísticos?

A comunicação eficaz com as transportadoras e os armazéns é essencial, mas consome muito tempo. Os corretores utilizam ligações electrónicas para automatizar grande parte deste processo.

A sua equipa está preparada para investir muito tempo nestas comunicações ou dispõe de um sistema para as racionalizar?

Vencedor: Externalizar

A menos que tenha a infraestrutura para automatizar as comunicações de forma semelhante, os sistemas estabelecidos de um corretor oferecem uma clara vantagem em termos de tempo e eficiência.

7. Como irá garantir que os seus envios são acompanhados e entregues a tempo?

Os corretores acompanham os seus envios, garantindo que chegam e são entregues pontualmente, muitas vezes sem taxas adicionais. Se considerar gerir isto emhouse, tem os recursos e a dedicação para corresponder a este nível de serviço?

Vencedor: Externalizar

A atenção meticulosa e o compromisso de tempo necessários para acompanhar e rastrear eficazmente os envios podem ser esmagadores para muitas equipas in-house . Isto faz com que o serviço completo de um corretor seja uma opção mais fiável.

8. Qual é o seu grau de preparação para lidar com as complexidades das importações especiais?

O tratamento de importações especiais, como as sujeitas a direitos anti-dumping ou a quotas, exige conhecimentos pormenorizados e documentação precisa. Está confiante na capacidade da sua equipa in-house para gerir estas complexidades sem problemas?

O vencedor: Um empate

Com a formação e os recursos adequados, uma equipa emhouse pode tratar de entradas especiais com competência. No entanto, a experiência especializada de um corretor torna-o frequentemente mais bem equipado para enfrentar estes desafios com menos riscos de erros ou atrasos.

9. É possível coordenar a recolha e entrega de carga sem um engate?

Os despachantes são excelentes na coordenação das muitas partes móveis envolvidas na libertação, recolha e entrega da carga, assegurando operações sem problemas, mesmo quando são necessários exames aduaneiros. A sua operação in-house tem a capacidade de gerir esta logística sem problemas?

Vencedor: Subcontratar um corretor

A coordenação logística necessária para uma recolha e entrega eficazes é complexa, especialmente sob a pressão dos controlos aduaneiros. Os corretores têm a experiência e os sistemas necessários para lidar com estas situações de forma mais eficiente do que a maioria das equipas in-house .

10. Tem as ligações do sector para resolver os problemas rapidamente?

As relações que os corretores experientes construíram ao longo dos anos no sector podem acelerar significativamente os processos e resolver problemas. A sua equipa in-house tem acesso a uma rede igualmente influente?

Vencedor: Subcontratar um corretor

Embora seja possível construir relações ao longo do tempo, o acesso imediato a uma vasta rede de contactos da indústria que os corretores proporcionam é inestimável, especialmente quando surgem questões urgentes.

Em conclusão

A decisão de efetuar o desalfandegamento por conta própria ou de subcontratar o desalfandegamento é matizada e depende das necessidades, capacidades e recursos específicos da sua empresa. Se estiver inclinado para a subcontratação, considere parceiros como a CustomsCity pela sua profunda experiência e soluções tecnológicas.

Para aqueles que estão a ponderar uma abordagem in-house , avalie a sua preparação em termos de tecnologia, conhecimento e escalabilidade de recursos. O próximo passo deve ser uma análise completa das suas operações actuais, custos e estratégia comercial a longo prazo para determinar o caminho mais eficaz para as suas necessidades de desalfandegamento, mantendo a conformidade, eficiência e escalabilidade na vanguarda do seu processo de decisão.

Marque hoje uma consulta gratuita

Blogues recentes

Manter-se ligado

Receba notícias Customs City
na sua caixa de entrada
.

NEWSLETTER